Férias e falafel.

24 de dez de 2013

2 comentários



(In English)

Faz tanto tempo que eu queria publicar essa receita de falafel, que já a associei a um bocado de assuntos diferentes, pensando no texto do post.
Dado o avançado da hora, não vejo sentido em associar com qualquer outra coisa que não seja férias (além do mais, achei que dava um título sonoro. "Férias e falafel". Não? :)
Um dos assuntos que surgiu tinha a ver com uma situação que me irrita bastante.
Aí pensei "ah, sabe o quê? Que besteira. Não vou ficar discorrendo sobre chatices numa hora dessas".
A melhor coisa das férias é justamente desacelerar de tudo o que tiver se desgastado (ou nos desgastado) no quotidiano - tanto faz se temos vários dias para descansar ou se são só dois, três.
Mesmo que a pausa seja curta, temos essa vantagem de contar o tempo em ciclos; vivendo dia a dia, ano a ano, para ter términos e recomeços constantemente.
Quando termina um período, tudo o que for desnecessário fica pra trás, não precisa nos acompanhar no dia seguinte, no ano seguinte.
Que beleza, não? A única coisa que precisamos fazer é lembrar de deixar as coisas para trás.

Aproveitando esse verãozão, vamos é passar tempo com a família, andar só de chinelo todo dia, cozinhar ouvindo música, disputar o espaço na rede, e ver se diminui um pouco a pilha de livros esperando para serem lidos.

Agora, falafel. Caso tenha alguém que não o conheça, apresento:
É um bolinho frito feito com grão de bico, cebola, coentro, pimenta e mais alguns temperos opcionais, tradicional da culinária árabe.
A receita que eu tenho veio do cooksnaps.

Rotina - quem diria? - é algo gostável. Um post sobre fórmulas e barrinhas salgadas (ou não).

29 de out de 2013

3 comentários


(In English)

Não sei vocês, mas eu sou uma pessoa que gosta de comida. Mesmo.
Me dá um bruta mau humor ter fome e/ou vontade de comer, e não ter nada à mão para beliscar.
E com essa onda em que ando de comer direitinho e saudável, a trama se complica.
Porque às vezes até daria pra quebrar o galho em alguma padaria do caminho, mas não ando com vontade de comer pão de queijo e pão francês o tempo todo (além do mais, cada bocadinho que se compra na rua em São Paulo representa uma porcentagem significativa dos ganhos mensais de um ser humano).
Eis que em maio do ano passado, juntando informações daqui e dali, e testando um pouco, fiquei feliz com a receita/fórmula que desenvolvi para barrinhas de aveia.
Cê vê: elas ficaram do jeito que eu gosto. Crocantes, e aceitando bastante variação nos ingredientes.
A questão é a seguinte: se eu tenho fome, em geral preciso de algo salgado. E isso não é possível com a receita daquelas barrinhas de aveia.
Têm aparecido no mercado algumas opções de barrinhas salgadas. Pelo que ouvi dizer, quase todas são esquisitas ao paladar. Ainda assim, são possíveis.
Lá vai a Flora procurar pela internet receitas de barrinhas salgadas. Mas não foi fácil de achar.
Eu tinha encontrado um site que gostei muito, li no celular em algum trajeto de metrô, e depois nunca mais achei o link de novo.
Lembro que a pessoa que tinha escrito o post trabalhava em um hospital, e comentava o quanto achava atrapalhado comer mix de oleaginosas a título de lanche.
A idéia é boa, até. Mas não é prática:
Pensa você no ônibus/ no carro/ no meio de uma filmagem/ no escritório, seja lá onde for, segurando um pacote ou um potinho de nozes com uma mão e com a outra levando a comida à boca.
Pois bem, juntar todos os ingredientes em uma barra pareceu uma boa solução.
A pessoa tinha algumas idéias vagas sobre possibilidades de preparo, nada muito concreto.
Continuando a pesquisa, encontrei este post do No meat athlete. Aí foi que a coisa ficou clara:
eu não precisava de uma receita, e sim de uma fórmula. Genial esse cara.
Acontece que a fórmula dele não era exatamente o que eu estava procurando, apesar de preencher as necessidades alimentares etc etc etc.
Próximo passo? Fazer bagunça na cozinha até chegar a uma fórmula que eu gostasse.


Casquinhas de laranja cristalizadas - aquecendo barrigas no inverno.

1 de set de 2013

4 comentários




(In English)

Mais uma coisa que eu gosto muito do nosso inverno no sul do Brasil é o sabor das laranjas e mexericas. É mais forte e ácido do que as frutas do restante do ano, tem um suco mais encorpado, sei lá. Fico esperando para poder comprar laranjas de umbigo na feira!
Como comprei várias este ano, lembrei de aproveitar a casca preparando um doce simplíssimo que me encanta: as cascas da laranja cristalizadas.

Pãezinhos de minuto do livro que o Gabriel me deu - feitos com fubá e semente de papola.

26 de jul de 2013

4 comentários

 



Pães de minuto, essa maravilha da humanidade!
Na verdade, eu chamaria estes pequeninos de bolos, porque são feitos com fermento químico em vez de fermento biológico. E essa é a razão pela qual eles ficam prontos tão depressa.
São ótimos para preparar um lanche rápido, pra quando alguém aparece em casa, para servir como desculpa pra ligar o forno em tardes geladas, esse tipo de coisa.
A receita vem de um livro que ganhei de um amigo no ano passado, chama "Bolinhos salgados e doces", da Ilona Chavancova.

Detalhes tão pequenos: escovinha para verduras & raízes.

6 de jul de 2013

0 comentários





(In English)

Talvez vocês já tenham notado que gosto de preparar comida usando o forno.
Pães, tortas, omelete assada, todo tipo de verdura assada, frutas, chimia...
E no caso das raízes acho particularmente interessante assar com a casca. Pense beterrabas, cenouras, gengibre, açafrão fresco, todo tipo de batata, e até alguns outros alimentos com casca mais grossinha (abóboras? maçãs?).
Assar alimentos com casca ajuda a preservar os nutrientes, mesmo se você descascar depois.
Mas para isso, claro, as cascas devem estar perfeitamente limpas, afinal comida com terra não é lá muito agradável.
Nessa tarefa, minha melhor amiga é a escovinha de unha. Lógico que você compra uma nova só para usar na cozinha. O bom delas é que são miudinhas e cabem direitinho na mão, e essas que têm alça são ótimas porque não escorregam.
Basta deixar um fio de água correndo e ir esfregando delicadamente cada alimento, até remover toda a terra. Se precisar, corte fora os pedacinhos que estiverem machucados.
Depois enxague bem o alimento, e use como quiser.
Enxague a escovinha, deixe secar bem pendurada em um gancho ou no escorredor de louça antes de guardar (eu guardo a minha em um ganchinho na parede da pia mesmo).

E sempre é bom lembrar que não é interessante comer com casca alimentos que tenham sido cultivados com agrotóxico, porque a maioria das porcarias se acumulam nela. Nesse caso, pode até limpar com a escovinha, mas descasque antes do preparo.

Agora, uma pequena novidade: fiz uma página no facebook para publicar as atualizações do blog e para publicar links que eu ache interessantes (é bem possível que não seja sempre algo diretamente relacionado a comida). Se quiser ver, procura lá: Blog É o que tem pra hoje.

Curry de feijão fradinho: uma tentativa de comida indiana.

31 de mai de 2013

4 comentários



(In English)

Há bastante tempo acompanho o Enjoy Indian Food, e sempre que como em restaurantes indianos acho uma delícia. Mas nunca tinha tomado a iniciativa de preparar receitas indianas.
Que bobagem minha! Acho que é porque a lógica dessa comida é tão diferente das coisas que costumo preparar, que nunca sabia por onde começar direito.
Eis que um belo dia vejo essa receita aqui, que leva feijão fradinho.
E calhou que eu tinha feijão fradinho já cozido e congelado, mas não sabia ainda como ia comer.
Aliás, tenho vários tipos de feijão em casa, e ando pensando em bons jeitos de prepará-los além do nosso arroz-feijão de todo dia.
No fim, achei que essa receita - Teriwale Lobiya - foi um jeito tranquilíssimo de começar a abordar a culinária indiana.

Pão branco fofinho da Dona Lisete.

3 de mai de 2013

5 comentários





No inverno do ano passado fiz um passeio caminhando por três dias seguindo as bordas dos cânions entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, lembram? Falei sobre isso em algum post.De dia caminhávamos e víamos coisas lindas, e a cada noite dormíamos em uma fazenda-pousada.
Era gelado de tudo, algo em torno de 6oC, e muito úmido. Mas com o movimento constante de caminhar não tinha nem como sentir frio. E que delícia que era o ar, limpíssimo.
O último lugar em que dormimos antes de voltar para casa foi a Pousada do Morro da Cruizinha.
Como as outras pousadas, era um lugar muito simples, e as pessoas que nos receberam foram extremamente acolhedoras.
De manhã antes de ir embora tomamos um café da manhã todo baseado na farinha de trigo:
tinha vários tipos de bolachinhas, bolo, cuca, e um pão que só se come no Rio Grande do Sul.
A primeira vista, não tem nada demais. É apenas um pão branco para sanduíche.
Mas é um pão branco muito macio, com um domo alto bem marronzinho, de sabor suave, e uma textura deliciosa.
Conquista a qualquer eu. Eu então, que tenho um fraco por pães, estava perdida.
Não teve jeito: pedi a receita.
O pessoal me contou que quem prepara esse pão é a Lisete, que aliás prepara vários dos outros quitutes que se encontra por ali, todos feitos no fogão/ forno à lenha.
Como fiquei sem jeito, não tirei foto nem dela nem do pão. Fiquei com a certeza de que iam achar que isso era coisa dessas meninas esquisitas que moram em cidade grande.
Mas quem quiser pode ir pessoalmente conferir, no fim do post deixo link pra empresa do guia que nos levou nesse passeio.

Oi, tudo bem? Você vem sempre aqui?

17 de abr de 2013

3 comentários
Ando pensando em mudar a organização do blog, minha gente. A aparência também.
Claro que vou planejar isso devagarzinho e implementar as mudanças de uma vez só, então vai demorar pra vocês verem os resultados, mas calma que eu chego lá.
Antes de mudar qualquer coisa, seria legal entender um pouco melhor com quem mesmo é que estou me comunicando. Afinal, recebo pouquinhos comentários e pouquinhos e-mails, apesar de que tem bastante gente que vem ler.
Gosto demais de diálogo, gente. Falem comigo. haha

Usem o formulário que está neste link, e se quiserem, incluam sugestões e comentários.
Pra conversas mais compridas, tem o email: blogehoquetemprahoje@gmail.com

Muitos obrigadas a todo mundo!
Flora.

Pode vir à vontade, frio. Eu tenho chai latte.

29 de mar de 2013

1 comentários




(In English)

Tem gente que não gosta de frio, mas eu gosto.
Claro que no final do inverno fico ansiosa pelo verão e vice-versa, mas tenho a impressão de que quando fica mais friozinho e cinza lá fora, a casa da gente (e a gente mesmo) fica mais aconchegante, mais propenso a dividir o espaço com os outros, a comer junto.
Pra mim, os dias mais bonitos são os dias de inverno ensolarados.
Me lembram das férias de julho, que sempre achei mais divertidas e mais gostosas que as de dezembro.
Por algum motivo, acho mais família. Talvez porque a gente acaba passando mais tempo dentro de casa.
Lembro de mim sempre com um livro na mão, curiosa por saber da história.
Minha mãe com lápis ou tintas, um dos meus tios construindo aeromodelos ou qualquer coisa que exigisse uma certa engenharia, minha avó atarefada cuidando de todos nós e sempre com alguma coisa deliciosa no forno ou no fogão, meu irmão atrás dos bichos da casa, e por aí vai. Cada um no seu assunto, mas todo mundo por perto.

Porque as avós acertam sempre, e queijo fresco feito em casa.

18 de fev de 2013

0 comentários

(In English)

Na minha humilde opinião, o maior elogio que alguém pode fazer a uma pessoa que gosta de cozinhar é quando dizem "Nossa, você faz [preencha a lacuna] igual à minha avó". Ou "igual à minha mãe" (só que vó é superlativo de mãe, né).
Pode ser em relação a uma técnica de cozinha ou em relação ao gosto de uma comida pronta.
Penso que isso é porque avós em geral já tiveram pelo menos o tempo de meia vida pra ir aprendendo e testando o que funciona mais.
Aí, mesmo quando uma receita desanda, rapidinho elas pensam em um jeito de consertar que fique delícia também.
Outro dia consegui resgatar uma receita que deu errado, e me senti muito ninja.
Fava fazendo iogurte, mas com o calorão que tava ele passou do ponto, ainda mais que eu deixei fora da geladeira por mais tempo do que deveria.
O iogurte talhou e pensei "tá, o que eu faço agora?".

Armadilha pra mosquinhas de fruta. True story.

25 de jan de 2013

2 comentários


(In English)

The kitchn tem umas dicas ótimas. Por exemplo essa:
um truque pra tirar as mosquinhas das suas frutas.
Honestamente, quem não se irrita com elas no verão?
Com esse truquezinho simples se resolve o problema. Ou pelo menos diminui bem:
Coloca um pouco de vinagre de maçã em um copo, pinga uma ou duas gotas de detergente líquido, e deixa do lado das frutas. Pronto.
(eu testei com vinagre branco também, e de arroz; o de maçã funciona um zilhão de vezes melhor)
O vinagre as atrai, o detergente as mata. Acabou.
A foto abaixo é nojenta, mas to colocando pra vocês verem que funciona.


Dependendo da quantidade de mosquinhas que costuma aparecer, é bom trocar uma vez por dia ou por semana. Recomendo usar copinhos de louça ou qualquer outra coisa que não seja transparente, pra evitar de enfeiar a cozinha.

PS: testei também colocar um pedacinho de sabão em barra em vez do detergente, porque é o que eu tenho em casa e uso pra lavar louça, mas não deu tão certo.

Sopa de tomates do quintal.

10 de jan de 2013

8 comentários




Tomates são amor em forma de fruto, sobre isso não tenho dúvidas. 
Eles podem tanto ser uma comida fresquinha, como quando são usados em saladas cruas, quanto ser uma comida reconfortante, quando são assados, grelhados, marinados, cozidos, transformados em molho...
E quando nascem às pencas no quintal? Quando, no calor, a gente tira uma tigela cheia de tomates por dia?
Aí é amor demais pra uma pessoa só. Aproveitei em uma tarde que choveu e ficou mais fresco e fiz deles uma sopa para dividir com a família.